quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

INSULINA


Esta droga é utilizada terapeuticamente por pessoas diabéticas, porque não produzem insulina em quantias adequadas (diabetes do tipo I) ou porque as suas células não reconhecem a insulina (diabetes do tipo II). A insulina é um hormônio secretado pelo pâncreas, sendo que, dentre suas funções principais, está o transporte de proteínas (aminoácidos) e carboidratos (glicose) para dentro da célula. Porém, o efeito da insulina é uma faca de 2 gumes, pois ela pode evitar a quebra de gorduras e ainda aumentar a sua reserva. Isso visto só para repetir o que já foi mencionado no item 4 (carboidratos), onde também aprendemos como fazer uso da secreção natural deste poderoso hormônio em nosso favor, mas aqui o que mencionamos é o uso de insulina extra injetável.


Ocorre que muitos culturistas fazem uso de insulina sem se tornar obesos e sim mais forte e definidos. Se você estiver realizando um treinamento rigoroso e não estiver ingerindo quantidades desnecessárias de carboidratos, a insulina no seu corpo irá levar nutrientes para dentro da célula e não trabalhar no processo de armazenamento de gorduras. Mas se você já tiver excesso de gordura e se consumir quantias desnecessárias de carboidratos e ainda for sedentário, a insulina irá aumentar a reserva de gordura.

A insulina vem sendo injetada em conjunto com drogas como GH (hormônio do crescimento), esteroides anabólicos, clembuterol, drogas para a tiroide e outras para que, em conjunto, tenham o seu efeito aumentado.

Existem 2 tipos básicos de insulina: insulina de ação lenta e insulina de ação rápida (regular). A insulina lenta permanece no corpo por aproximadamente 6 horas após a injeção (a qual deve ser subcutânea). Este tipo de insulina normalmente inicia sua ação entre 1 à 3 horas após a injeção e tem o seu pico de ação de 6 à 8 horas após a administração. A insulina regular tem ação imediata e dura cerca de 6 à 8 horas.

É importante que o pâncreas naturalmente libera insulina após ter aumentado os níveis de glicose na corrente sanguínea, mas quando é injetado insulina extra, pode ocorrer um quadro hipoglicêmico (queda de glicose na corrente sanguínea). Se um culturista injeta insulina de manhã ao acordar e se alimentar de carboidratos complexos, provavelmente não criará quantidades de glicose suficientes para o momento em que a insulina der o seu pico, ou seja, após 1 ou 2 horas. Isso pode ocasionar severo quadro hipoglicêmico que se
caracteriza por sudorese, falta de ar e tremores. Severa hipoglicemia pode ocasionar a morte.

Para evitar o problema, os culturistas que insistem em fazer uso desta droga perigosa consomem, além da refeição normal, 10 gramas de glicose para cada UI (unidade internacional) de insulina administrada. Se um atleta injeta 10 UI de insulina de manhã, ingere 100 gramas de carboidratos simples (glicose) de 20 a 30 minutos após a administração. Normalmente, o ciclo de insulina é usado por oito semanas, permanecendo-se oito semanas fora do ciclo. Durante o ciclo, a dieta deve ser precisa contendo carboidratos simples e complexos consumidos na hora exata.

O uso de insulina parece ter efeito bastante positivo, quando especificamente utilizada na fase da dieta pré-competição em que o atleta aumenta o consumo de carboidratos, após passar pela fase de depleção dos mesmos como foi mencionado anteriormente neste item. A célula já ocupada por carboidratos será ainda mais recheada pelos mesmos com injeção de insulina. A insulina jamais é utilizada na fase em que a ingestão de carboidratos é limitada. Repetimos, usa-se insulina só quando o consumo de carboidratos for elevado para promover supercompensação.

Cremos que o uso despropositado de insulina não vale a pena, pois corre-se o risco da instalação de um quadro hipoglicêmico e isto basicamente ocorre pela administração de muita insulina e pelo consumo de quantias inadequadas de carboidratos que, advertimos, pode levar a um quadro hipoglicêmico, ao coma e até à morte. Este é um risco que não vale a pena!

Fonte: Guia de Aumento de Massa Muscular

Bom Treino!
Equipe Treinar no Limite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário